quinta-feira, 26 de agosto de 2010


Se isso num é cultura é coisa e tal

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

EU USO FACA, O JOSÉ SERRA. /



EU JOGO NA QUINA, O AYRTON SENNA. /



EU DISSE "MEU DEUS!", O OSWALDO CRUZ. /



EU QUERO GUERRA, A BÁRBARA PAZ. /



EU QUEBRO PRÉDIOS, A TATI QUEBRA BARRACO. /



EU FALO BONITA, O MIGUEL FALABELA. /



EU GOSTO DO BATMAN, O LUCIANO HULK. /



EU SOU BRASILEIRO, O RENATO RUSSO. /



EU NÃO ESTIVE, MAS A ADRIANA ESTEVES. /



EU GOSTO DO CHAPOLIN, O HUGO CHAVEZ. /



EU ANDO DE ONIBUS, O JAMES BOND. /



EU PINTO RETRATO, O JANIO QUADROS. /



EU BEBO CAFÉ, A CLAUDIA LEITE. /



EU USO SHAMPOO SEDA, O ÉRIC JOHNSON. /



EU COMO MAÇÃ, A DANI BANANINHA. /



EU NÃO FAÇO, MAS A BETH FARIA. /



O MEU ACORDA TARDE, O SEU MADRUGA. /



EU GOSTO DE CEREJA, A CAMILA PITANGA. /



EU GOSTO DE VINHO TINTO, A DEBORA SECO. /



EU NÃO QUERIA, MAS A CASSIA KISS. /



EU ME CASO ANO QUE VEM A MARJORIE ESTIANO. /



EU ANDO DE GOL, O DEDÉ SANTANA. /



EU TORÇO PELO FLAMENGO, A ANA BOTAFOGO. /



EU JOGO NO VASCO, O SILVIO SANTOS. /



EU TENHO CASA PEQUENA, O CARLOS CASAGRANDE. /



EU JÁ VI CICLONE, A HILDA FURACÃO E O TONY TORNADO. /



EU COMO TORRESMO, O KEVIN BACON. /



EU QUERIA ME CHAMAR FRANCISCO, O ERASMO CARLOS. /



EU VENDO XÍCARA, A GLÓRIA PIRES. /



EU SOU DA CIDADE, O MARTINHO DA VILA. /



EU SOU DA FLORESTA, A VANESSA DA MATA. /



O PATETA USA TECLADO, O MICKEY MOUSE. /



EU ESTUDO TUBARÃO, A CLÁUDIA RAIA. /



EU PEDI CARNE, O FILIPE MASSA. /



EU GOSTO DO INVERNO, A VERA VERÃO. /



EU USO BOMBRIL, O BOB ESPONJA. /



EU CRIO GALINHA, O PAULO COELHO. /



MEU CABELO É PRETO, O DA BIANCA CASTANHO. /



O ZÉ FUMA, O CELSO PITA. /



O MICHAEL SCHUMACHER CHOROU A MORTE DO SENNA, SÓ DAMON HILL.

Um apuradim de versos...

sábado, 21 de agosto de 2010

No meu tempo de criança
Boneca eu não possuia
Eu pegava era um sabugo
Num molambo eu envolvia
Numa casinha no mato
Passava o resto do dia
Rafaelzinha

Eu comparo a nossa vida
Com o mar irritado e forte
Alguma bússola indicando
Leste, oeste, sul e norte
Dum lado a praia da vida
Do outro o porto da morte
Jó Patriota

Eu já não suporto mais
Na vida tantas revoltas
Prazer, por que não me buscas?
Mágoa, por que não me soltas?
Presente, por que não foges?
Passado, por que não voltas?
Lourival Batista

Meus filhos são passarinhos
Que vivem dos meus gorjeios
Eu, para encher os seus papos
Caço grãos em chãos alheios
E só boto um grão no meu
Quando vejo os deles cheios
Onésimo Maia

Depois que meu pai morreu
Minha mãe ficou sozinha
Na sua vida de pobre
Trabalhando pra vizinha
Estragando a vida dela
Para dar conforto à minha
Ismael Pereira

Tanto burro com renome
Tanto artista fracassando
Tanta comida sobrando
Tantos morrendo de fome
Tanto ricaço que come
Leite, queijo e carne assada
Tantos em sua morada
Faltando o pão pra criança
Dizendo sem esperança
Uns com tanto, outros sem nada
Donzílio Luiz

Antes de queixar-se, pense!

O filho que muitas vezes não limpa o quarto e fica vendo televisão, significa que... está em casa!





A desordem que temos que limpar depois de uma festa, significa que... estivemos rodeados de familiares e amigos!



As roupas que estão apertadas, significa que... temos mais do que o suficiente para comer!




O trabalho que temos para limpar a casa, significa que... temos uma casa!




As queixas acerca do governo, significa que... temos liberdade de expressão!






Se não encontro estacionamento, significa que... tenho carro!






Os gritos das crianças, significa que... podemos ouvir!






O cansaço no final do dia, significa que... podemos trabalhar!






O despertador que nos acorda todas as manhãs, significa que... estamos vivos!






Colaboração: Lídia Lira

Quem sou eu?

Nesta altura da vida já não sei mais quem sou...

Vejam só que dilema!!! Na ficha da loja sou CLIENTE, no restaurante FREGUÊS, quando alugo uma casa INQUILINO, na condução PASSAGEIRO, nos correios REMETENTE, no supermercado CONSUMIDOR. Para a Receita Federal CONTRIBUINTE, se vendo algo importado CONTRABANDISTA. Se revendo algo, sou MUAMBEIRO, se o carnê tá com o prazo vencido INADIMPLENTE, se não pago imposto SONEGADOR. Para votar ELEITOR, mas em comícios MASSA , em viagens TURISTA , na rua caminhando PEDESTRE, se sou atropelado ACIDENTADO, no hospital PACIENTE. Nos jornais viro VÍTIMA, se compro um livro LEITOR, se ouço rádio OUVINTE. Para o Ibope ESPECTADOR, para apresentador de televisão TELESPECTADOR, no campo de futebol TORCEDOR. Se sou corintiano, SOFREDOR. Agora, já virei GALERA. (se trabalho na ANATEL , sou COLABORADOR ) e, quando morrer.... uns dirão... FINADO, outros... DEFUNTO, para outros... EXTINTO , para o povão... PRESUNTO... Em certos círculos espiritualistas serei... DESENCARNADO, evangélicos dirão que fui... ARREBATADO... E o pior de tudo é que para todo governante sou apenas um IMBECIL !!! E pensar que um dia já fui mais EU.
Luiz Fernando Veríssimo.


Oh a versão de Zé de Itapetim

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

As estradas dão sinais
Pelo estado da gleba
Que se carro fosse peba
Talvez pudesse andar mais
Alguns buracos fatais
Têm a forma de caixão
Dos que sepultam cristão
Falta só a vela benta
NÃO TEM QUEM PUXE SESSENTA
NAS ESTRADAS DO SERTÃO
Zé Adalberto

Outro verso de Gaião

Para andar de feira em feira
Levando mercadorias,
O que fazia em três dias
Gasto uma semana inteira.
Pois naquela buraqueira
O meu velho caminhão,
Vai feito um carro de mão,
Porque senão se arrebenta...
“Não tem quem puxe sessenta
Nas estradas do sertão”.
Ismael Gaião

Mudando só o lugar

O lançamento do livro Uns sonetos e outros versos, do poeta tabirense Genildo Santana, vai acontecer mesmo em Recife e mesmo no dia 11 de setembro, do jeitim que eu disse aqui. A mudança é que vai ser no Box Sertanejo, no Mercado da Madalena. Vai ser um sábado de manhã. Pense que vai prestar!


Vê o abraço que eu recebi agorinha!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Um remédio com dose exagerada,
Ao invés de curar os já mortais,
Traz efeitos ruins, colaterais
E é capaz de matar o camarada.
Se for dose pequena não faz nada
É preciso saber curar o mal
E quem quer levantar o seu astral
Pra sair da mortal melancolia
Eu prescrevo um bom site em poesia
Como o blog "Cultura e Coisa e Tal".
Parabéns, Poeta Alexandre!
Um grande abraço, Ismael Gaião.

Que bonito!

terça-feira, 10 de agosto de 2010

O Balé de Danças Populares Papanguarte, da cidade de Bezerros - PE, se apresenta em São Paulos esta semana. Vai como convidado para o 46º Festival Internacional do Folclore da Cidade de Olímpia. Que bonito, gente. Vão com os deuses de todas as artes.

11 de setembro - Parada Extra da Independência

O de cima é o criador da de baixo. Genildo Santana e sua obra vão estar juntos dia 11 de setembro, na Cachaçaria Matulão, Mercado da Boa Vista, Recife - PE. E vai ter mais gente e mais coisa boa também. Vamos gritar poesia mais alto do que dizem que Dom Pedro gritou na beira do rio. FALA ALTO, POETA!

Oh o recado que o poeta Dedé Monteiro passou pra vocês

Inscrições abertas até 10 de setembro:
1º CONCURSO LITERÁRIO GUEMANISSE DECRÔNICAS, CARTAS E TROVAS / 2010
Informações:
Premiações:


Para cada Categoria a premiação será nos seguintes valores:


a) Premiação em dinheiro:


1º lugar: R$ 3.000,00 (três mil reais) e publicação do texto em livro;


2º lugar: R$ 2.000,00 (dois mil reais) e publicação do texto em livro;


3º lugar: R$ 1.000,00 (mil reais) e publicação do texto em livro.


b) Premiação de publicação em livro: Os textos premiados, inclusive os que forem agraciados com MENÇÃO HONROSA e/ou MENÇÃO ESPECIAL, serão publicados em livro (sem ônus para seus autores, inclusive de remessa postal) e cada um destes autores receberá dez exemplares, a título de direitos autorais.

Pense num juiz da bixiga lixa

Recebi por email e não conferi a veracidade. Mas, ainda que seja ficção vale muito a pena ler. Refere-se a uma decisão judicial ocorrida em Tocantis. Noves fora o juridicismo, isso é sociologia cultural, meu irmão:
.


DECISÃO

Trata-se de auto de prisão em flagrante de Saul Rodrigues Rocha e Hagamenon Rodrigues Rocha, que foram detidos em virtude do suposto furto de duas (2) melancias. Instado a se manifestar, o Sr. Promotor de Justiça opinou pela manutenção dos indiciados na prisão.
Para conceder a liberdade aos indiciados, eu poderia invocar inúmeros fundamentos: os ensinamentos de Jesus Cristo, Buda e Ghandi, o Direito Natural, o princípio da insignificância ou bagatela, o princípio da intervenção mínima, os princípios do chamado Direito alternativo, o furto famélico, a injustiça da prisão de um lavrador e de um auxiliar de serviços gerais em contraposição à liberdade dos engravatados e dos políticos do mensalão deste governo, que sonegam milhões dos cofres públicos, o risco de se colocar os indiciados na Universidade do Crime (o sistema penitenciário nacional)...
Poderia sustentar que duas melancias não enriquecem nem empobrecem ninguém. Poderia aproveitar para fazer um discurso contra a situação econômica brasileira, que mantém 95% da população sobrevivendo com o mínimo necessário apesar da promessa deste presidente que muito fala, nada sabe e pouco faz.
Poderia brandir minha ira contra os neo-liberais, o consenso de Washington, a cartilha demagógica da esquerda, a utopia do socialismo, a colonização européia...
Poderia dizer que George Bush joga bilhões de dólares em bombas na cabeça dos iraquianos, enquanto bilhões de seres humanos passam fome pela Terra - e aí, cadê a Justiça nesse mundo?
Poderia mesmo admitir minha mediocridade por não saber argumentar diante de tamanha obviedade.
Tantas são as possibilidades que ousarei agir em total desprezo às normas técnicas: não vou apontar nenhum desses fundamentos como razão de decidir.
Simplesmente mandarei soltar os indiciados. Quem quiser que escolha o motivo.
Expeçam-se os alvarás.
Intimem-se.

Rafael Gonçalves de Paula
Juiz de Direito

Mais um dos bons

A estrada deixa o meu carro
Mais "frouxo" que rapariga
É impossível que eu siga
Sem engolir muito barro
No fim da viagem escarro
Para limpar o pulmão
Não tem asfalto no chão
Ô rodovia nojenta !!!!

Não tem quem "puxe" sessenta
Nas estradas do sertão
Clênio Cordeiro

Minha coluna do mês no Jornal O Movimento

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Um soneto de Patativa do Assaré
.


Reforma Agrária
.


Pobre agregado, força de gigante

Escuta, amigo, o que te digo agora

Depois da treva vem a linda aurora

E a tua estrela surgirá brilhante
.


Pensando em ti eu vivo a todo instante

Minha alma triste desolada chora

Quando te vejo pelo mundo afora

Vagando incerto, qual judeu errante
.


Para saíres da fatal fadiga

Do horrível jugo que cruel te obriga

A padecer situação precária
.


Lutai altivo, corajoso e esperto

Pois só verás o teu país liberto

Se conseguires a reforma agrária
.



A voz dos mudos

Patativa do Assaré foi Antonio Gonçalves da Silva, falecido em 2002, aos 93 anos. Fez da poesia a voz dos que não tinham voz, dos trabalhadores, dos injustiçados, dos marginalizados. Este é um dos poucos sonetos que conheço dele, já que preferia poemas maiores, com maior bagagem e apelo emotivo e social. São dele A triste partida, Cante lá que eu canto cá, Vaca Estrela e Boi Fubá e O boi zebu e as formigas, entre tantos outros trabalhos que o fizeram imortal. A matéria, no entanto, não testemunhou muitas mudanças sonhadas e expressas em poesia. Como a reforma agrária, por exemplo. E parece que nós vamos no mesmo caminho.
.


A coisa certa

Foi Patativa que uma vez questionado sobre o seu jeito rude e natural de falar, disse: é melhor falar errado as coisas certas, do que falar certo as coisas erradas. E num é, não!
.


Mudou pra pior
Acho que já elogiei aqui a política cultural adotada pela Fundarpe na gestão Luciana Azevedo. Mas um evento que foi desmantelado foi o tradicional Congresso Nordestino de Cantadores patrocinado pelo Governo do Estado. Peca nas datas, nos horários, nas cidades, na falta de divulgação, no respeito aos poetas e ao público. Deixou de ser evento único, com identidade própria, para expremer-se nas programações do Festival Pernambuco Nação Cultural. Diga se não é imoral a etapa de Garanhuns acontecer numa terça-feira, às 16h? E a de Triunfo, numa quarta-feira, que tava marcada pras 18h e só começou às 21h? Sabe o resultado? O tempo dos cantadores foi reduzido pra não atrapalhar o restante da programação. Vamos rever isso aí, pessoal!
.


Se espalhando
Esse Cultura e coisa e tal tá ficando besta. Num é que depois da internet e de chegar nesse jornal vamos figurar também com uma coluna na Revista Cidades, editada pela Amupe, a partir deste mês de agosto e também na Transertaneja FM, às sextas-feiras, das 16h às 18h, a partir do dia 13 de agosto! Tô achando que alguém tá achando bom. Então vamos trabalhar, espalhar nossa Cultura e coisa e tal só freando nas curva.
.

O grito...
A sociedade toda grita pela recuperação de nossas estradas. A coisa tá dum jeito que vale lembrar aquela frase de consolação: pelo menos pior não pode ficar. Outro dia um viajante de Carnaíba perguntou ao homem da lotação:- Ainda tem muito buraco daqui pra Flores? O motorista respondeu: - Muito num tem mais, não! Tá um buraco só daqui até lá.
.


...dos poetas

Aí os poetas resolveram protestar em versos. Veja os versos abaixo.
.


Pra refletir

“Falam, em vão, de felicidade os que nunca reprimiram um impulso por obediência a um princípio. Quem nunca sacrificou o presente por um bem futuro, ou um bem individual por um coletivo, só pode falar de felicidade como um cego fala de cor.” Horace Mann, educador e abolicionista americano.
.


E pra terminar eu lembrei da história de um caboclo da cabeceira do Pajeú que depois de ter trabalhado em tudo na vida, foi questionado por um compadre: - Ôh cumpade, de tudo que tu já fez, qual foi o serviço mais pesado? O caboclo respondeu: - Foi entregar carta, cumpade. Aí o outro espantou-se: - Entregar carta! E entregar carta é serviço pesado, cumpade? O caboclo encerrou o assunto: - Vai entregar carta sem saber ler pra tu ver!

Um buraco na estrada de Sales

O jeito é andar a pé,
De carro não tem mais jeito,
Pois vinha eu bem direito,
Do buraco não dei fé.
Inda avisou a "mulé":
"Olha o buraco João!..."
E eu caí num cacimbão,
Quase que ele me arrebenta.
Não tem quem puxe sessenta
Nas estradas do sertão.
.
Sales

Os embriagantes versos de Pitu

ESTÁ DIFICIL DEMAIS
DIRIGIR POR ESTA ESTRADA
NÃO TÁ PARECENDO NADA
COM A DO TEMPO DE ARRAES
FICA PRA FRENTE E PRA TRÁS
MUDANDO DE DIREÇÃO
QUEM ENTRAR NA CONTRA MÃO
VAI BATER VENTA COM VENTA
NÃO TEM QUEM PUXE SESSENTA
NAS ESTRADAS DO SERTÃO.
.
SÓ EM PENSAR NA VIAGEM
MEXE COM MEU PONTO FRACO
PENSO EM CAIR NUM BURACO
QUE TEM NO MEIO DA RODAGEM
SE É LONGA A QUILOMETRAGEM
JÁ SOBE A MINHA PRESSÃO
QUEM ANDA DE LOTAÇÃO
SE DEITA MAIS DO QUE SENTA
NÃO TEM QUEM PUXE SESSENTA
NAS ESTRADAS DO SERTÃO.
.
ESTÁ MUITO PERIGOSO
DIRIGIR POR ESTA PISTA
POIS ONDE TINHA UMA LISTA
TEM UM BARRO PEGAJOSO
MOTORISTA FURIOSO
QUE ANDA DE CAMINHÃO
SE CAIR NUM BURACÃO
SÓ JESUS CRISTO SUSTENTA
NÃO TEM QUEM PUXE SESSENTA
NAS ESTRADAS DO SERTÃO.
.
UM CHOFER DE QUALIDADE
DE MUITA CATEGORIA
SÓ ANDA NA RODOVIA
COM POUCA VELOCIDADE
FICA SÓ COM A VONTADE
DE ANDAR FEITO AVIÃO
NEM PUXA O FREIO DE MÃO
QUE A MACHA QUE ANDA É LENTA
NÃO TEM QUEM PUXE SESSENTA
NAS ESTRADAS DO SERTÃO.
.
Genildo Almeida (Pitu)

 
 
 
 
Template modificado por WMF-Mídia Design | (87) 9918-2640 / 9620-2552