quinta-feira, 28 de agosto de 2014

O Sapo Rei mandou dizer...

agosto 28, 2014 Por Alexandre Morais Sem comentários
     Pessoal, acabo de receber minha nova cria: o conto infantil "O Sapo Rei". É uma obra simples e curtinha (como o autor, rrrssss), mas que acredito nela como um boa contribuição para a formação e conscientização dos pequenos leitores. A proposta é ambiental e quem já viu, aprovou.
     Agora, é espalhar por aí.
    Quer conhecer? Quer apresentar para seu filho ou filha? E para seus alunos? Bom, se sim, é só nos contatar.



segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Funarte concede 45 bolsas de até R$ 150 mil para artistas e produtores negros

agosto 25, 2014 Por Alexandre Morais Sem comentários
   Até 10 de outubro, produtores e artistas negros terão a oportunidade de receber até R$ 150 mil para seu projeto artístico. A iniciativa é da Fundação Nacional das Artes (Funarte) que concederá 45 bolsas que promovam a reflexão, a pesquisa de linguagem e a criação nas áreas de artes visuais, circo, dança, música, teatro, preservação da memória e artes integradas.
 
    Com investimento de R$ 4 milhões, o edital Bolsa Funarte de Fomento aos Artistas e Produtores Negros, divulgado nesta segunda-feira (25/8), visa, por meio dessas bolsas, proporcionar aos produtores e artistas negros oportunidade de acesso a condições e meios de produção artística.
 
    Desse montante, originário do Fundo Nacional de Cultura, R$ 3,750 milhões serão destinados às bolsas. Os demais R$ 250 mil serão utilizados com despesas administrativas do edital. Os prêmios serão divididos em três módulos: para o Módulo A vão ser destinados 15 prêmios de R$ 150 mil; para o Módulo B, 12 prêmios de R$ 80 mil; e para o Módulo C, 18 prêmios de R$ 30 mil.
 
     O edital vai contemplar exposições e mostras (pintura, escultura, desenho, gravura, fotografia, novas mídias e demais linguagens), oficinas, intervenções urbanas, seminários e eventos similares nas áreas de artes visuais; projetos de produção e circulação de espetáculos, bem como oficinas e seminários, entre outros eventos, nas áreas de circo, dança e música. São incluídos, ainda, produção de material de difusão artística (CDs, DVDs e websites) e produção de livros paradidáticos.

Participe

     Podem participar pessoas físicas - artistas e produtores - que se autodeclararem negros no momento da inscrição. Os coletivos – conjunto de artistas sem personalidade jurídica formalizada - também poderão concorrer por meio de pessoas físicas. Os interessados também devem comprovar em seu currículo experiência no desenvolvimento de atividades artísticas que conservam elementos das culturas de matriz africana ou realização de trabalhos com temas ligados à experiência social e política da população negra dentro ou fora do Brasil. Só poderá ser inscrito um projeto por proponente. 
 
    Os projetos serão avaliados em três etapas. A primeira é a habilitação, com triagem dos projetos de acordo com as exigências do edital. A segunda é uma avaliação segundo critérios do edital e a última, uma análise documental eliminatória. O resultado será divulgado no portal da Funarte
 
     A avaliação será realizada por uma comissão de seleção composta por 20 membros, dos quais sete são representantes regionais do Ministério da Cultura e os demais são membros da sociedade civil indicados pela Funarte dentro das linguagens artísticas.
 
     Após a divulgação do resultado, os inabilitados terão dois dias úteis para recorrer. O recurso só poderá ser enviado por meio eletrônico, através do formulário de recursos disponível na página eletrônica da Funarte, para o endereço artistaseprodutoresnegros@funarte.gov.br, com a seguinte identificação no assunto da mensagem: "Recurso Etapa 2".
 
Cecília Pinto Coelho
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura

Outras coisas pra João

agosto 25, 2014 Por Alexandre Morais Sem comentários


Eu tenho medo de moto
Muito embora tenha uma
Mas não sou dela devoto
Nem sinto falta nenhuma
Foi uma danada dessas
Que vinha passando às pressas
E na arte fez um mal
Danou-se em cima de João
Mandou meu poeta ao chão
E do chão ao hospital

Em pensar, prefiro eu,
Que foi coisa do destino
Mas isso só ocorreu
Porque João é franzino
O corpo do meu poeta
Perde até pra bicicleta
Pelo jeito que eu noto
Pois seu corpo é indefeso
Mas se verso fosse peso
Quem se lascava era a moto

O que mais me desgoverna
É que João tem espinhaço
Mocotó, joelho, perna
Ombro, cotovelo e braço
Dedos nas mãos tem os dez
Com outro tanto nos pés
E tudo ficou em dia
Não que o corpo não mereça
Mas que livrasse a cabeça
A fábrica de poesia

Mas cada um se mantenha
Em sua fé a orar
Esperando que João venha
De novo nos encantar
O nosso Deus é enorme
E enquanto o poeta dorme
Em seu trono ninguém trisque
Que João deve tá doente
Mas é pra rasgar repente
E emborcar uma de uísque

> Ao cantador João Paraibano, que há 20 dias foi atropelado por uma moto e ainda encontra-se internado <

domingo, 24 de agosto de 2014

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Hoje, na missa em homanagem a Eduardo Campos, aqui em Afogados da Ingazeira - PE

agosto 19, 2014 Por Alexandre Morais Sem comentários


Pra tudo traz a genética
A resposta exata e séria,
Porque define a matéria
E sua estrutura estética.
Sem qualquer menção profética
Comprova o que a carga traz...
E Eduardo de Arraes
Trouxe o gen da liderança,
A semente da esperança
E o biótipo da paz.

Agora a matéria jaz
Tranquilamente em seu túmulo,
Mas em terra brota o acúmulo
De seus feitos geniais.
Sua fé, seus ideais
Lhe manterão entre nós,
Que os filhos não ficam sós
Quando o pai se faz eterno
E Eduardo foi fraterno
Em ação, em gesto e voz.

E a morte não é a foz
Quando o rio é caudaloso.
A água mesmo em gasoso
Vira chuva logo após.
Eduardo, mesmo pós
A vida será um rio,
Que para o céu só subiu
Em sua forma invisível
Mas permanece visível
No coração do Brasil

< Alexandre Morais >

terça-feira, 12 de agosto de 2014