sábado, 18 de maio de 2019

Menino, vá estudar

maio 18, 2019 Por Alexandre Morais Sem comentários


Menino, vá estudar
Juízo na seca seca
Veja na biblioteca
O que tem a lhe esperar
Leia José de Alencar
Em sua obra completa
Leia sem fazer dieta
Um Cassimiro de Abreu
Leia Augusto em seu “EU”
Mas conheça o meu poeta

Um Lobato, que fez belo
Leia, releia e cite-o
E se embrenhe pelo Sítio
Do Pica Pau Amarelo
Veja o recado singelo
Duma Cecília, a discreta
Leia sem definir meta
Sem contar a quantidade
Devore Drummond de Andrade
Mas conheça o meu poeta

Castro Alves e Amado
Os gênios da terra mansa
Carregue em sua lembrança
Como um tesouro guardado
Dum Neruda em separado
Faça leitura seleta
Leia numa tarde quieta
Um Fred Garcia Lorca
Ariano e sua porca
Mas conheça o meu poeta

Leia Bilac e Raquel
Bandeira como se manda
E dos Buarque de Holanda
Tudo que foi pro papel
Pessoa, a pena fiel
Guimarães, pena arquiteta
Machado que ninguém veta
Saramago e mais uns cem
Leia lá nem sei mais quem
Mas conheça o meu poeta

Meu poeta, igual aos tais
Mas sem saber científico
Sem qualquer título honorífico
Produz obras geniais
Sem contestar os demais
Atrai olhares pra si
Afina a viola em mi
Canta o local e o estrangeiro
Se cantar o mundo inteiro
Meu poeta é esse aí

Sem mídia, dinheiro ou fama
Sem certeza do amanhã
Da natureza é um fã
E a própria arte ama
A noite é a sua dama
Seu guia, o colibri
Que não aceita jequi
E nem se dá com gaiola
Se faz da vida uma escola
Meu poeta é esse aí

Meu poeta é andarilho
Um tangedor, almocreve
Que seu próprio livro escreve
Sob a lua com seu brilho
Seja pai ou seja filho
Faz do lar qualquer ali
Igualmente ao jabuti
Junto ao corpo leva casa
Se com nada se atrasa
Meu poeta é esse aí

< Alexandre Morais >

Atirem-me um lápis

maio 18, 2019 Por Alexandre Morais Sem comentários
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas no palco, noite e show
    Atirem-me um lápis. Disparem em mim, façam qualquer gesto que seja digno de minha morte. Espoletem palavras de ordem, de progresso, de educação e de vida.
    A nossa pólvora é feita do grafite que acende a sabedoria do povo brasileiro. Uma nação sã não foge à luta. Somos escaldados, mas não temos medo de água fria, muito menos de cara feia.
   Quando o educador Paulo Freire engatilhava as espirais, partindo de um ponto cego, na intenção de unificar as margens das páginas da educação no Brasil, sem distinção de cor, raça, sexo, religião e nível social, lhe alvejaram na calada da noite, e rasgaram o único método da língua portuguesa direcionado aos fracos e oprimidos.
   Atirem-me, pois, um lápis. Metralhem-me com rajadas de verbos, de sílabas, exclamações, reticências... e aí, morrerei, sangrando a essência do povo de minha terra. Terra de Zumbis, de Gracilianos, de Gregórios Bezerras, de Vitorinos e Lourivais. Terra dos Joões Paraibanos, Ivanildos, Pedrosas, dos Sertões, dos Carrascais. Terra Ariânica, de Manoel Bandeira, Leandro Gomes de Barros, Patativa, Josué de Castro, Chico Sciencie e muito mais.
   Atirem-me, já, um lápis.

< Maciel Melo >

quinta-feira, 16 de maio de 2019

maio 16, 2019 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação

quarta-feira, 15 de maio de 2019

maio 15, 2019 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação



Imagem/Divulgação


quinta-feira, 9 de maio de 2019

maio 09, 2019 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação

maio 09, 2019 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação

terça-feira, 7 de maio de 2019

maio 07, 2019 Por Alexsandro Acioly Sem comentários

Imagem/Divulgação


Imagem/Divulgação

maio 07, 2019 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação

segunda-feira, 6 de maio de 2019

maio 06, 2019 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação

maio 06, 2019 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação

terça-feira, 23 de abril de 2019

5ª Mostra Pajeú de Cinema

abril 23, 2019 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Foto/Divulgação



Mostra Pajeú de Cinema divulga programação completa de filmes e oficinas. Com incentivo do Funcultura, 78 produções de 13 estados serão exibidas de 3 a 18 de maio nos municípios de Ingazeira, Iguaracy, Carnaíba e Afogados da Ingazeira, no Sertão do Pajeú


   A Mostra Pajeú de Cinema (MPC) anuncia os filmes selecionados para a sua quinta edição. No total, 61 curtas e sete longas-metragens brasileiros serão exibidos em quinze dias de programação em quatro municípios do Sertão do Pajeú. Uma das novidades deste ano é a inclusão de Carnaíba no circuito de exibição de curtas, ao lado de Iguaracy e Ingazeira, enquanto o público de Afogados da Ingazeira poderá assistir curtas e longas no Cine São José, cinema de rua original de 1942, especialmente reativado para o evento. Incentivado pelo Governo do Estado de Pernambuco, por meio dos recursos do Funcultura, e organizado pela Pajeú Filmes, a 5ª MPC será realizada de 3 a 18 de maio. Confira aqui a programação completa.
   De acordo com a coordenadora de formação, Bruna Tavares, esta é uma edição especial da MPC, que completa cinco anos. “Entre dificuldades e conquistas, permanecemos na luta e queremos traduzir isso na nossa tela. Todo o nosso planejamento e atividades estão sendo pensadas a partir dessa perspectiva de resistência e luta. Não é fácil manter as portas abertas para o cinema nacional no sertão, mas estamos conseguindo e firmando território na região do Pajeú”. Bruna também ressalta a nova identidade visual da MPC, criada pela artista Ianah Maia: “É uma arte que expressa o nosso desconforto e a nossa posição diante das questões que assolam o país. O cinema tem sido nosso modo de combate, nosso modo de registrar e propor reflexão”, conta a coordenadora.
   Entre os destaques da programação estão os longas pernambucanos Estou me guardando para quando o Carnaval chegar, de Marcelo Gomes (que estreou em fevereiro no Festival de Berlim e ganhou prêmio da crítica + menção honrosa no festival É Tudo Verdade); Azougue Nazaré, de Tiago Melo, que estreou ano passado no Festival de Rotterdam; e Mateus, novo documentário de Déa Ferraz (com a atriz e brincante Odília Nunes), que faz sua estreia na 5ª MPC.
   Completam o programa dois longas paulistas e um carioca, todos com extensa carreira em festivais: a ficção A Sombra do Pai, de Gabriela Amaral Almeida (com Júlio Machado, Nina Medeiros, Luciana Paes); o documentário Fabiana, em que a diretora Brunna Laboissière acompanha a última viagem de uma mulher trans, caminhoneira, depois de 30 anos percorrendo as estradas do Brasil; e o documentário Pastor Cláudio, baseado no encontro entre o bispo evangélico Cláudio Guerra, responsável por assassinar e incinerar os opositores à ditadura militar brasileira, e Eduardo Passos, psicólogo e ativista dos Direitos Humanos. Pastor Cláudio será o filme de abertura da mostra em Afogados da Ingazeira no domingo, 12 de maio, em sessão seguida de debate com a diretora Beth Formaggini.
   A seleção de curtas leva para o sertão filmes de quatro regiões do país, destaque para Noir Blue, de Ana Pi, coreógrafa mineira radicada na França, e O órfão, de Carolina Markowicz (selecionado para a última Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes). Entre as produções pernambucanas, serão apresentados os novos trabalhos de Tila Chitunda (Nome de Batismo – Francês, que acaba de estrear no festival É Tudo Verdade); Lia Letícia (Thinya); Rita Carelli (A Era de Laryokoto); e a animação pernambucana Guaxuma, de Nara Normande (selecionado pelo Festival de Annecy, na França, e eleito melhor curta no Festival de Gramado). Há também grande presença de filmes da Paraíba, o que reflete o ótimo momento para o cinema feito no estado vizinho, reconhecido nacional (A ética das hienas e Caetana – Mostra de Tiradentes) e internacionalmente (Crua – Festival de Rotterdam).
   A curadoria da 5ª MPC é formada pelo pesquisador e crítico André Dib (Afogados da Ingazeira, sessão acessível e matinês) e pelos diretores da MPC, Bruna Tavares e William Tenório (Carnaíba, Iguaracy e Ingazeira). “Pensamos em abordagens que mantivessem o espírito da MPC e que pudessem dialogar com a realidade dos lugares”, diz Bruna. “Carnaíba, Ingazeira e Iguaracy são cidades muito especiais e particulares, e precisamos estar atentos para isso na hora de escolher os filmes. Nosso objetivo, para além da exibição, é convidar esse público para refletir o que estamos vivendo no país. A tela é a nossa forma de traduzir a sociedade e as possibilidades de mobilização para um mundo melhor”.
   Oficinas - Este ano a MPC contará com a Oficina de Crítica Cinematográfica com a jornalista e professora sergipana Suyene Santos, que nos dias 10 e 11 discutirá em Afogados da Ingazeira as diferentes formas de crítica e o contexto do ofício no cenário contemporâneo do cinema. Suyene é mestre em comunicação pela UFS e especialista em jornalismo cultural pela Universidade Tiradentes (UNIT). Trabalhou como repórter do Jornal da Cidade (SE), comanda o site Bangalô Cult (criado como blog em 2008) e é repórter do jornal CINFORM (SE). As inscrições para a oficina de crítica estão abertas e seguem até 26 de abril, pelo site www.mostrapajeudecinema.com.br. Já a “Oficina Rápida de Cinema Ligeiro” será ministrada em Carnaíba, Ingazeira e Iguaracy pela realizadora pernambucana Eva Jofilsan e que contempla as possibilidades estéticas das vinhetas audiovisuais.

5ª Mostra Pajeú de Cinema – FILMES SELECIONADOS
* inédito no Brasil
** inédito em Pernambuco
AFOGADOS DA INGAZEIRA
Longas
A sombra do pai (SP, 2018), de Gabriela Amaral Almeida**
Azougue Nazaré (PE, 2018), de Tiago Melo
Bloqueio (RJ, 2018), de Victoria Alvares e Quentin Delaroche
Estou me guardando para quando o Carnaval chegar (PE, 2019), de Marcelo Gomes
Fabiana (SP, 2018), de Brunna Laboissière**
Mateus (PE, 2018), de Déa Ferraz*
Pastor Cláudio (RJ, 2018), de Beth Formaggini
Curtas
A era de Laryokoto (PE, 2019), de Rita Carelli
A ética das hienas (PB, 2019), de Rodolpho de Barros**
As aulas que matei (DF, 2018), de Amanda Devulsky e Pedro B. Garcia**
BR3 (RJ, 2018), de Bruno Ribeiro
Caetana (PB, 2018), de Caio Bernardo
Conte isso àqueles que dizem que fomos derrotados (PE, 2018), de Aiano Bemfica, Camila Bastos, Cris Araújo, Pedro Maia De Brito
Crua (PB, 2019) de Diego Lima**
Estamos todos aqui (SP, 2017), de Chico Santos & Rafael Mellim
Fartura (RJ, 2019), de Yasmin Thayná**
Guaxuma (PE, 2018), de Nara Normande
Maré (BA, 2018), de Amaranta César
Mesmo com tanta agonia (SP, 2018), de Alice Andrade Drummond
Nome de batismo – Francês (PE, 2019), de Tila Chitunda**
Noir Blue – deslocamentos de uma dança (MG/França, 2018), de Ana Pi
O órfão (SP, 2018), de Carolina Markowicz
Quando decidi ficar (PB, 2018), de Maycon Carvalho
Sua invariável gentileza toca o meu complicado coração (BA, 2018), de Marcus Curvello**
Thinya (PE, 2019), de Lia Letícia
Verde Limão (PE, 2018), Henrique Arruda
Matinê
A luta (MG, 2017), de Bruno Bennec**
Bia Desenha: Burrinho no espaço (PE, 2018), de Kalor Pacheco e Neco Tabosa
Bia Desenha: O nascimento de Zalika + Tarefinhas (PE, 2018), de Kalor Pacheco e Neco Tabosa
Bia Desenha: Anjo de jambo (PE, 2018), de Kalor Pacheco e Neco Tabosa
Cadarço (SP, 2017), de Eduardo Mattos
Dando asas à imaginação (RJ, 2017), de Arthur Felipe Fiel e Joao Marcos Nascimento**
Fazenda Rosa (PE, 2018), de Chia Beloto
Mini Miss (PE, 2018), de Rachel Daisy Ellis
O Malabarista (GO, 2018), de Iuri Moreno
O Violeiro Fantasma (GO, 2018), de Wesley Rodrigues
Uma história das cores (RJ, 2018), de Vitor Hugo Fiuza**
Viagem na chuva (GO, 2014), de Wesley Rodrigues
Sessão acessível
Cadarço (SP, 2017), de Eduardo Mattos
Coleção (PE, 2019), de André Pinto e Henrique Spencer
Cor de Pele (PE, 2018), de Lívia Perini
Majur (MT, 2018), de Rafael Irineu
Nova Iorque (PE, 2018), de Leo Tabosa
O malabarista (GO, 2018), de Iuri Moreno
Victor vai ao Cinema (PE, 2017), de Albert Tenório
CARNAÍBA
A viagem de Ícaro (GO, 2018), de Kaco Olimpio e Larissa Fernandes
ARARA: um filme sobre um filme sobrevivente (MG, 2017), de Lipe Canêdo
Da curva pra cá (ES, 2018), de João Oliveira
Eu vejo flores (PR, 2018), de Bruna Steudel
Invasão Drag (RJ, 2018), de Rafael Ribeiro**
O malabarista (GO, 2018), de Iuri Moreno
Quilombo Mata Cavalo (ES, 2018), de Victor Hugo Fiúza**
Um corpo feminino (RS, 2018), de Thais Fernandes**
Uma história das cores (RJ, 2018), de Victor Hugo Fiúza**
Xavier (SP, 2017), de Ricky Mastro
IGUARACY
A fábula da corrupção (RS, 2011), de Lisandro Santos
Ainda ontem (PR, 2018), de Jessica Candal
Cadarço (SP, 2017), de Eduardo Mattos
Médico de Monstro (SP, 2017), de Gustavo Teixeira
Megg: a margem que migra para o centro (PR, 2018), de Larissa Nepomuceno e Eduardo Sanches**
Mesmo com tanta agonia (SP, 2018), de Alice Andrade Drummond
O muro era muito alto (RJ, 2018), de Marcelo Marão**
Tempo Circular (PE, 2018), Graci Guarani
Uma família ilustre (RJ, 2015), de Beth Formaggini
INGAZEIRA
#JURI (MT, 2018), de Samantha Col Debella**
Animais (SP, 2015), de Guilherme Alvernaz
Azul Vazante (SP, 2018), de Julia Alquéres
Codinome Breno (RN, 2018), de Manoel Batista
Impermeável pavio curto (MG, 2018), de Higor Gomes
Lençol de inverno (PE, 2018), de Bruno Rubim
Nova Iorque (PE, 2018), de Leo Tabosa
O esquema (PE, 2018), de Caio Dornelas
Quando a chuva vem? (PE, 2019), de Jefferson Batista de Menezes Silva