domingo, 5 de abril de 2020

Itaú Cultural cria editais de emergência para apoiar artistas na crise

abril 05, 2020 Por Alexandre Morais Sem comentários
Museu Nacional recebe mostra de arte e tecnologia da Coleção Itaú ...

O Itaú Cultural anunciou nesta sexta (3) a criação de três editais emergenciais para financiar artistas que estão impedidos de se apresentarem presencialmente em razão da pandemia de Covid-19.

As inscrições do primeiro edital Arte como Respiro, voltado às artes cênicas, serão abertas às 9h da próxima segunda-feira (6) e vão até o fim da sexta (10).
Poderão se inscrever artistas de teatro, dança e circo. Serão selecionados até 120 projetos –até 90 trabalhos produzidos na quarentena e 30 espetáculos cênicos gravados antes deste período.

Os escolhidos serão informados por email até dia 25 e abril e receberão até R$ 10 mil como remuneração pelo licenciamento dos direitos autorais. Para saber mais informações, acesse o edital aqui.


As datas das outras duas edições
do Arte como Respiro, direcionadas às artes visuais e à música, ainda não foram anunciadas.

Fonte: Folha de Pernambuco

terça-feira, 31 de março de 2020

março 31, 2020 Por Alexandre Morais Sem comentários






março 31, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação

sábado, 28 de março de 2020

março 28, 2020 Por Alexandre Morais Sem comentários



março 28, 2020 Por Alexandre Morais Sem comentários









sexta-feira, 27 de março de 2020

Festival Palco em Casa

março 27, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação
Imagem/Divulgação 
Imagem/Divulgação

Palco Pajeú

março 27, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação

   Em função das recomendações referentes à pandemia da Covid-19 (Coronavírus), o programa Palco Pajeú desta sexta-feira, dia 27/03/20, não receberá convidados e terá a equipe reduzida. Apenas um apresentador e o técnico de som estarão nos estúdios.
   “As intérpretes de Libras gravarão em casa e as imagens serão lançadas na página do programa na internet. Outros vão participar por telefone”, explica o apresentador e produtor do programa, Alexandre Morais. O público, no entanto, poderá acompanhar o programa em vídeo e interagir através das redes sociais normalmente.

   Canais – O programa é levado ao ar todas as sextas-feiras, das 16h às 18h, pela Rádio Pajeú, FM 99,3. A página da emissora no facebook (www.facebook.com/radiopajeu) transmite tudo em vídeo. O histórico e outras publicações do programa podem ser vistas também no endereço www.facebook.com/palcopajeu.

terça-feira, 24 de março de 2020

quinta-feira, 19 de março de 2020

Palco Pajeú

março 19, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação


     Em função das recomendações referentes à pandemia da Covid-19 (Coronavírus), o programa Palco Pajeú desta sexta-feira, dia 20/03/20, não receberá convidados e terá a equipe reduzida. Apenas um apresentador e o técnico de som estarão nos estúdios.
     “As intérpretes de Libras gravarão em casa e as imagens serão lançadas na página do programa na internet. Outros vão participar por telefone”, explica o apresentador e produtor do programa, Alexandre Morais. O público, no entanto, poderá acompanhar o programa em vídeo e interagir através das redes sociais normalmente.

     Zé Marcolino - Sem convidados ao vivo, o programa será temático. Destaque para a vida e obra do poeta e compositor Zé Marcolino. Autor de músicas como Pássaro Carão, Numa sala de reboco, Cacimba Nova, Cantiga de Vem-vem e Quero chá, Zé Marcolino foi gravado por grandes nomes da música brasileira. O maior parceiro foi Luiz Gonzaga.
    Natural de Sumé, na Paraíba, Marcolino morou por muitos anos na pajeuzeira Serra Talhada. Faleceu em 1987, vítima de um acidente automobilístico. Em homenagem a ele, há 32 anos realiza-se no Pajeú a Missa do Poeta.

     Canais – O programa é levado ao ar todas as sextas-feiras, das 16h às 18h, pela Rádio Pajeú, FM 99,3. A página da emissora no facebook (www.facebook.com/radiopajeu) transmite tudo em vídeo. O histórico e outras publicações do programa podem ser vistas também no endereço www.facebook.com/palcopajeu.
 

sexta-feira, 13 de março de 2020

quinta-feira, 12 de março de 2020

Xérem Cultural

março 12, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação

Imagem/Divulgação

Imagem/Divulgação

Imagem/Divulgação

Imagem/Divulgação

Imagem/Divulgação

quarta-feira, 11 de março de 2020

Palco Pajeú

março 11, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação

segunda-feira, 9 de março de 2020

março 09, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação

março 09, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação


Imagem/Divulgação

quarta-feira, 4 de março de 2020

março 04, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários
Imagem/Divulgação

março 04, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários

Imagem/Divulgação

Marcas na História

março 04, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários

D. Sebastião e a Pedra Bonita

A Pedra do Reino - Imagem/Internet

   No termo de Pajeú, em Pernambuco, os últimos rebentos das formações graníticas da costa se alteiam, em formas caprichosas, na Serra Talhada, dominando, majestoso, toda a região em torno e convergindo em largo anfiteatro acessível apenas por estreita garganta, entre muralhas a pique. No âmbito daquele, como púlpito gigantesco, ergue-se um bloco solitário - A Pedra Bonita.
( Os Sertões )


   Num acampamento em pleno sertão pernambucano, 17 homens, de repente, sacaram seus facões. Com eles, executaram mulheres, velhos e crianças. Outros, num estado de descontrole, seguiram o exemplo. Assassinaram seus próprios pais, filhos e esposas. Usaram o sangue para lambuzar duas torres de pedra, marcos do acampamento. As mesmas pedras serviram para quebrar o crânio de crianças. Mais de 200 pessoas foram mortas.
   Era 14 de maio de 1838. Os homens em questão, tanto os assassinos quanto os mortos, eram seguidores de uma seita conhecida como Pedra do Reino ou Pedra Bonita. O episódio, o mais trágico e sangrento dos movimentos sebastianistas brasileiros, inspirou grandes romances de José Lins do Rego, Pedra Bonita, e de Ariano Suassuna, A Pedra do Reino – este, aliás, ganhou os palcos de São Paulo numa montagem teatral. Apesar disso, permanece desconhecido.
  O sebastianismo é um movimento místico português iniciado no século 16, que pregava que o rei Sebastião, morto numa batalha, voltaria para ocupar o trono. No Brasil, esses ideais foram incorporados no sertão nordestino – inspiraram até Antônio Conselheiro em Canudos.
   A história da Pedra do Reino começou dois anos antes da carnificina, em Villa Bella, comarca de Serra Talhada. Um dia, um rapaz de nome João Antônio Vieira dos Santos afirmou que dom Sebastião habitava um reino encantado perto de um local conhecido como Pedra Bonita. 
   Em suas pregações, angariou dinheiro dos seguidores e montou um acampamento no tal lugar mítico. Conhecido como Primeiro Reinado da Pedra Bonita, foi marcado por discursos fanáticos e idéias contra o poder e a propriedade privada. As autoridades não gostaram e expulsaram João Antônio de lá.
   Dois anos depois, outro homem, João Ferreira, que dizia ter visões de dom Sebastião, assumiu o lugar de João Antônio e continuou a arregimentar pessoas para seu acampamento. O Segundo Reinado da Pedra Bonita teve mais de 300 moradores. A vida nele era um tanto bizarra. Os habitantes passavam o dia embriagados e fumavam uma erva alucinógena para “entrar” no reino de dom Sebastião. A matança aconteceu pouco após João Ferreira anunciar que, numa visão de dom Sebastião, este afirmava que o sangue dos seguidores o traria de volta. 
   A polícia soube do ocorrido e mandou 60 homens a Pedra Bonita. Houve um enfrentamento entre eles e os seguidores – e mais 22 mortes. O criador da seita, João Antônio, acabou morto.

Fonte:  https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/acervo/seita-pedra-bonita-sebastianismo-brasileira-434944.phtml
"Os Sertões" - Euclides da Cunha

terça-feira, 3 de março de 2020

Artes Visuais

março 03, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários

Galeria Maumau abre inscrições para oficina de projetos na área das artes visuais

As inscrições podem ser feitas por e-mail, no período de 2 a 20 de Março

Imagem/Internet

   O curso Táticas Visuais abre inscrições para a oficina de elaboração e gestão de projetos e espaços de artes visuais. A capacitação será ministrada pelas produtoras culturais Clarice Hoffmann e Lia Letícia, profissionais que atuam há décadas no segmento das artes visuais em diversos projetos. A oficina será realizada em módulos de 23 a 28 de março e de 6 a 11 de abril, na Galeria Maumau (Rua Nicarágua, 173, Espinheiro – Recife). As inscrições podem ser feitas no período de 02 a 20 de março. Os interessados devem enviar e-mail para taticasvisuais@gmail.com e receberão ficha de inscrição.
   A atividade formativa é direcionada especialmente para produtores culturais, artistas e estudantes que atuem ou desejem atuar no setor das artes visuais. O objetivo é capacitar e qualificar para a elaboração e gestão de projetos e espaços dedicados às artes visuais, com foco no último edital Funcultura, lançado pelo Governo do Estado de Pernambuco.
   Com um total de 60 horas/aula, o curso terá dois módulos, com encontros de segunda a sábado, das 8h30 às 13h30. O primeiro módulo, com facilitação de Clarice Hoffmann, será dedicado à elaboração de projetos, com aulas de 23 a 28 de março. O segundo módulo, com facilitação de Lia Letícia, abordará a gestão de espaços independentes, com encontros de 06 a 11 de abril. A oficina conta com 20 vagas e inclui a participação de pessoas surdas que terão acessibilidade a partir de um intérprete de Libras. O projeto Táticas Visuais foi aprovado no Funcultura / Governo de Pernambuco do ano de 2018 na área de formação/capacitação em Artes Visuais.
   Durante o curso, serão apresentados estudos de caso de projetos realizados em âmbito local e nacional, proporcionando a reflexão e o diálogo crítico sobre as experiências e os processos artísticos e de gestão. Os participantes também farão exercícios práticos para que identifiquem suas potencialidades e elaborem ou aperfeiçoem seus próprios projetos, utilizando estratégias colaborativas e de atuação em rede. Como última atividade do curso, os participantes serão estimulados a produção e realização colaborativa de uma ação artística.


Facilitadoras

Clarice Hoffmann é jornalista e produtora cultural. Elaborou projetos aprovados em editais do Funcultura, do Centro Cultural Correios e do Itaú Cultural. Além de idealizar propostas que ganharam visibilidade nacional, já assinou a coordenação de produção e a produção executiva de diversas iniciativas. Sua experiência mais importante como facilitadora, se deu em Conceição das Crioulas, área quilombola localizada no município de Salgueiro, através de encontros mensais realizados ao longo de um ano. Vale citar também, a sistematização e produção dos estudos de caso para o livro Mobilizar para Transformar, publicado por Oxfam.

Lia Letícia é artista visual, arte-educadora, produtora cultural. Atua como coordenadora de diversas atividades e de espaços da área das artes visuais, como as ações artísticas do projeto Criaturas Urbanas, do Cinecão e da Galeria Maumau. Entre os projetos de educação nos quais atuou vale destacar a Escola Engenho e as Tardes de Quintal. Também presta serviço de arte-educação para Secretaria de Cultura do Governo de Pernambuco e SESC.


Serviço
Oficina Táticas Visuais – Da elaboração a gestão de projetos
Módulo I – De 23 a 28 de março (segunda a sábado), das 8h30 às 13h30
Módulo II – De 06 a 11 de abril (segunda a sábado), das 8h30 às 13h30
Local: Maumau – Rua Nicarágua, 173 – Espinheiro – Recife
Inscrições: Até 20 de março, sujeito ao limite de 20 vagas
Taxa de inscrição: R$ 100,00
Contato: taticasvisuais@gmail.com

Fonte: http://www.cultura.pe.gov.br/canal/funcultura/galeria-maumau-abre-inscricoes-para-oficina-de-projetos-na-area-das-artes-visuais/

segunda-feira, 2 de março de 2020

O Poeta da Vila

março 02, 2020 Por Alexsandro Acioly Sem comentários


Noel Rosa: As histórias por trás das 3 músicas mais ouvidas do artista nascido há 109 anos

 

Imagem/internet
   
   Considerado um dos mais importantes artistas brasileiros da história, o cantor e compositor carioca Noel de Medeiros Rosa morreu cedo em decorrência de tuberculose, aos 26 anos. Mas apesar da vida curta, compôs quase 250 canções, a maioria num espaço de cinco anos.
   A obra do artista é tida como um retrato-síntese das mudanças culturais, políticas e econômicas no Rio de Janeiro no início do século 20, abordando temas que envolvem as mais diversas classes sociais.
   Em suas 71 canções gravadas, segundo o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), o chamado Poeta da Vila passa por marchinhas carnavalescas, teatro musicado, choro, samba-canção.
   Veja abaixo a história em torno das três músicas mais executadas nas plataformas digitais YouTube e Spotify interpretadas pelo próprio Noel Rosa, nascido há 109 anos, em 11 de dezembro de 1910. 


Conversa de Botequim

Seu garçom, faça o favor de me trazer depressa / Uma boa média que não seja requentada / Um pão bem quente com manteiga à beça


   A música mais ouvida é Conversa de Botequim, executada mais de 546 mil vezes na Spotify e 1,3 milhão de vezes no Youtube. A canção registrada em 1935 foi feita com o compositor e arranjador paulista Vadico, considerado o maior parceiro de Noel.
   Em Noel Rosa, uma Biografia (1990), os autores João Máximo e Carlos Didier descrevem a canção como uma "prodigiosa crônica dos cafés cariocas e seus folgados frequentadores", cercados de garçons, cinzeiros, palitos, jogo do bicho, futebol e pagamento fiado.
   Para o antropólogo Roberto DaMatta, em artigo no jornal O Globo, os "faça o favor" espalhados pela letra representam um marcador cultural que torna o pedido algo "educado", mesmo que ele seja um imperativo abusivo e absurdo.
   Mas segundo os biógrafos o principal ponto da música Conversa de Botequim, "escorregadia como um choro", é a harmonia entre letra e melodia.
   "Em nenhuma outra é tão harmonioso o casamento da melodia com a letra, pontuação perfeita, acentuação irrepreensível (nem todos têm muito cuidado para com esse detalhe técnico de uma letra, a acentuação da palavra tendo de coincidir com a acentuação musical, isto é, a sílaba mais forte correspondendo à nota sobre a qual recai o acento melódico)", descrevem.
   Segundo os biógrafos, não é possível determinar se Vadico foi o responsável pela melodia inteira e "Noel criou para ela os mais exatos versos de toda a canção brasileira", ou se ambos trabalharam na construção da música, hipótese mais provável.
   Outra parceira de Noel, Aracy de Almeida interpretaria uma das mais conhecidas versões de Conversa de Botequim


Com que Roupa

Com que roupa que eu vou / Pro samba que você me convidou?

   Noel ri da própria desgraça na canção Com que Roupa, gravado em 1930, na qual lamenta: "Mesmo eu sendo um cabra trapaceiro, não consigo nem ter pra gastar".
Em sua versão original, a música, regravada dezenas de vezes por outros artistas, foi executada mais de 410 mil vezes no Spotify e 826 mil no YouTube.
   Segundo a dupla de biógrafos de Noel Rosa, à época da composição da música coexistiam dois tipos de samba na cidade.
 Um deles misturava "intelectuais e macumbeiros, funcionários públicos e boêmios, pequenos comerciantes bem-sucedidos e operários modestos, ex-escravos e músicos", como Sinhô e Pixinguinha.
  O outro, menos conhecido naquele momento, se espalhava pelos morros com menos e músicos treinados ou instrumentos, letras mais próximas do cotidiano da região, com acompanhamento mais improvisado, rudimentar, com tamborins, cuícas, surdos, pandeiros, cavaquinhos, palmas e batidas na mesa.
   Noel parece se aproximar mais da segunda vertente nesta canção com bandolim e violões, que foi um sucesso estrondoso de público.
   Ao longo dos anos, o sambista deu diversas versões sobre a origem da música, da qual dizia não gostar. Elas iam do retrato realista das dificuldades econômicas do povo à alegoria da situação política às voltas com a Revolução de 1930, golpe que levaria Getúlio Vargas ao poder.
   Os biógrafos também exaltam aspectos mais técnicos da canção, marcada por um "feliz casamento de música e verso". "Há também a originalidade do tema, as rimas pouco usuais na canção popular, a construtura técnica na qual o sexto verso do coro é uma espécie de chave. Sempre terminando em palavra que rima com 'roupa', o verso funciona como um breque e 'chama' musicalmente o estribilho. Uma tentação para os improvisadores (mais tarde, nas rodas de samba, a maestria do versejador será medida por esse sexto verso)."
   No livro No Tempo de Noel (1963), Almirante, o primeiro biógrafo do sambista, aponta que o artista não esperava que a música fizesse tanto sucesso e até a vendeu por 180 cruzeiros para cantores do Teatro Municipal.


Feitiço da Vila
Lá, em Vila Isabel / Quem é bacharel/ Não tem medo de bamba

   A origem social de Noel Rosa, crescido no bairro de classe média Vila Isabel, e a condição de estudante universitário (abandonaria o curso de medicina por causa da carreira artística) "justificam a originalidade e profundidade de suas formulações poéticas e o apelido que ganha de Filósofo do Samba", segundo a Enciclopédia do Itaú Cultural.
   Seu bairro de origem é cenário de uma de suas principais músicas, Feitiço da Vila, gravação de 1934 que se tornou um sucesso ao redor do país. Noel era cobrado a cantá-la por onde fosse.
  "Enterneci-me vivamente quando pressenti que o meu samba Feitiço da Vila batera fundo no espírito daquela gente boa. Difundiram-no, popularizaram-no, e numa mostra de curiosidade bem feminina as moças perqueriram as razões que lhe inspiraram o título. Traduzi-o por Feitiço de Minha Pátria, pois, como já disse Cícero, 'a pátria é onde se está bem', e nunca me senti melhor do que no recanto calmo e bonançoso de Vila Isabel", afirmou Noel.
   Era também uma homenagem a Lêla Casatle, uma jovem da Vila Isabel que fora eleita Rainha da Primavera.
   A canção fruto de parceria com Vadico, executada 417 mil vezes no YouTube e outras 73 mil vezes no Spotify, teve tanto sucesso que suscitou inclusive uma provocação do sambista rival Wilson Batista, batizada de Conversa Fiada.
"É conversa fiada / Dizerem que o samba / Na Vila tem feitiço / Eu fui ver para crer / E não vi nada disso."
   A disputa rendeu uma tréplica de Noel, chamada Palpite Infeliz. "Meu Deus do céu, que palpite infeliz! / (...) Você não viu porque não quis / Quem é você que não sabe o que diz?"
  Décadas depois, Martinho da Vila, artista oriundo do mesmo bairro que regravou Feitiço da Vila, comporia Noel: A Presença do Poeta da Vila. "Seus sambas muito curti / Com a cabeça ao léu / Sua presença senti / No ar de Vila Isabel."

Fonte: https://www.bbc.com/portuguese/geral-50743843