A prata é de Zé

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Entre muitos patrimônios, a Prata é de Zé de Cazuza, o Homem Gravador como foi anunciado incansável e entusiasticamente por um locutor tipo “que figura arretada”! Quem me levou foi Annamélia, conhecida por lá do tanto que Jesus é pelo mundo. Aí eu junto os dois aqui: já vai com um tempo que ela me pediu uns versos em cima de um mote dele – Todo dia muda a cor / Do quadro da minha vida. Eu fiz esses:

O jovem

Até os dez eu queria
Logo quinze completar
Nos vinte fiz despertar
O senso da honraria
Hoje vejo cada dia
Como graça recebida
Valorizo cada ida
Pois a volta é um supor
Todo dia muda a cor
Do quadro da minha vida

O maduro

Um novo quadro se pinta
Dizendo ao bom ouvinte
Quarenta não são dois vinte
Sessenta não são dois trinta
Não sei quem compôs a tinta
Da obra da despedida
Mas sinto os pincéis da lida
Negrejando sem clamor
Todo dia muda a cor
Do quadro da minha vida

O velho

As orelhas tão crescendo
A vista ficando curta
O juízo de quem surta
E o sexo é só querendo
Aí pego percebendo
Tô na reta da descida
Que é mais curta que a subida
E a carga é só de dor
Todo dia muda a cor
Do quadro da minha vida

0 comentários:

Postar um comentário

 
 
 
 
Template modificado por WMF-Mídia Design | (87) 9918-2640 / 9620-2552