Morro bebo, mas não digo...

quinta-feira, 31 de março de 2011


Um amigo meu, que não morreu, mas bebe e chora que só a peste, deu a ideia de fazer uns versos retratando este suplício. Aí eu fiz:

De dezembro até agora
Em mais nada me concentro...
É cana molhando dentro
Lágrima molhando fora.
Pra dormir não tenho hora
E se acordo sem ver ela
A saudade me martela,
Só um copo é meu amigo,
Morro bebo, mas não digo
Que choro por causa dela.

Quer ver eu ficar doente
É ver gente se beijando,
Enquanto eu sigo beiçando
Só um copo de aguardente.
A branquinha desce quente,
Passa queimando na goela,
No estambo faz procela,
Estalo o dedo e maldigo:
Morro bebo, mas não digo
Que choro por causa dela.

O meu copo companheiro
De aguardente tava meio,
Com o pranto ficou cheio
Em tempo mais que ligeiro.
Bebi por ser cachaceiro,
Que uma mistura daquela
Deixa no corpo seqüela
E pra alma é um perigo,
Morro bebo, mas não digo
Que choro por causa dela.

E o danado é poeta também! Óh o verso dele aí:

Passo o dia me lembrando
Desse amor que um dia eu tive
Com minha vida em declive
E o tempo me maltratando.
Não sei mais por onde ando
A cair pela tabela,
Coração em sentinela,
Sem achar um novo abrigo
 

Morro bebo, mas não digo
Que choro por causa dela.


.

0 comentários:

Postar um comentário

 
 
 
 
Template modificado por WMF-Mídia Design | (87) 9918-2640 / 9620-2552