Muito bom, muito bom...

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Conheci este poema através do poeta Diomedes Mariano, dizendo não conhecer sua autoria. Mais tarde soube ser da verve de Emygdio de Miranda e que teria sido feito de improviso, em meio a um baile. É assim que conta mestre Dedé Monteiro.
Agora, revendo o livro Vais casar? Contra quem?, de Maviael Melo, vejo a atribuição da autoria a Quintinho Cunha.

Mas vamos tratar de esclarecer isso depois, que a hora é de se deleitar:


                                Não devolvas as cartas comovidas,
                                Por muito tempo entre nós trocadas.
                                Podes mesmo guardá-las escondidas,
                                Como lembranças de ilusões passadas...


                                Não devolvas as flores perfumadas,
                                Que mantiveram nossas mãos unidas...
                                Não devolvas as tristes margaridas,
                                Nem as brancas rosas defloradas.


                                Não devolvas os versos de improviso,
                                Que na areia da praia te ofertei,
                                Decantando o primor do teu sorriso...


                                Não, não devolvas nada que eu te dei,
                                Mas devolves, devolves que eu preciso
                                Daqueles dois mil réis que te emprestei!

.

0 comentários:

Postar um comentário

 
 
 
 
Template modificado por WMF-Mídia Design | (87) 9918-2640 / 9620-2552