Confira algumas glosas surgidas do encontro desta terça-feira, 27/03:

quinta-feira, 29 de março de 2012


Em itálico estão os motes sugeridos aos poetas.

George Alves
Cancão glosava bonito,
feliz de quem o conheceu.
Foi gênio enquanto viveu,
faleceu pra virar mito.
De São José do Egito,
voou para a imensidão
Onde não tem alçapão,
baladeira e espinho.
Na terra é difícil um ninho,
mas no céu tem de Cancão.

Adiel Luna (convidado de São Lourenço da Mata)
Para descrever Cancão
o poeta se retorce,
mas por mais que se esforce,
todo esforço é em vão.
Cancão é imensidão,
é o sabor da água fria,
a força da ventania
e nessa mesa dileta,
no peito nu do poeta,
Cancão se faz poesia.

Alexandre Morais
A missão é bem pesada
nessa mesa se dispor
E a culpa é desse senhor
da cabeça esbranquiçada.
Dedé, velho camarada
está entre os meus gurus,
pra poesia é Jesus
e um Deus para quem cria,
vim derramar poesia
no chão dos maracatus.

Genildo Santana

A minha terra natal
é um estado soberano.
Foi aqui que Ariano
fez soneto armorial.
Que Ascêncio foi genial,
que deu estrela a Cancão.
E de tanta inspiração
vocês são o resultado.
Pernambuco é o estado
mais cultural dessa nação.

Zé Adalberto

Improvisar não é ruim,
mas é bom que a gente diga
que dá frio na barriga,
pois sempre começa assim.
Eu vim lá de Itapetim
pedindo força a Jesus
pra que ele me dê luz
e assim minha mente cria.
Vim derramar poesia
no chão dos maracatus.

Dudu Morais

Não foi criado em gaiola,
nem era branco com preto,
mas Cancão fez do soneto
seu caderno de escola.
Também cantou de viola,
mas não seguiu profissão.
O gracejo e o baião
inventou o do passarinho
Na terra é difícil um ninho,
mas no céu tem de Cancão

0 comentários:

Postar um comentário

 
 
 
 
Template modificado por WMF-Mídia Design | (87) 9918-2640 / 9620-2552