Mesa de Glosas em São José do Egito

segunda-feira, 30 de julho de 2012


Sábado passado (27/07/12) tive outra noite das boas, embora de muito aperto. Integrei um time de 08 poetas numa mesa de glosas, em São José do Egito, em homenagem ao centenário do pássaro-poeta Cancão. Veja o tamanho da responsabilidade! E se eu disser que na plateia tinha uns malassombros feito Dedé Monteiro, Chico Pedrosa, Genildo Santana, Antonio Marinho, Antonio de Catarina e mais um eito, além de Marcos Passos apresentando e Jorge Filó, que chegou pra vê o fim.
Quem tava do meu lado? Dudu Morais, Zé Adalberto, Maciel Correia, Caio Menezes, Clécio Rimas, João Filho e Aldo Neves. Pense num arrocho! Mas é como se diz, tirando as falhas, acho que prestou. Vê um resumo:

O primeiro mote foi “Quem crê na Virgem Maria / Nunca tem medo de nada”. Havia duas crianças na primeira fila e eu fiz:

São José eu te saúdo
Em nome dessas crianças,
Onde ponho as esperanças
D’um mundo com conteúdo.
A poesia é meu tudo,
A fé é minha morada
E uma à outra casada
São meu rumo, são meu guia,
Quem crê na Virgem Maria
Nunca tem medo de nada.

Ninho roubado e Sonho de Sabiá são poemas do poeta Cancão. Estão entre os maiores, se é que há algum de menor estirpe. Surgiu este lindo mote evocando o poeta: Eu vi um ninho roubado / No sonho do sabiá, e eu disse:

Eu já vi muito Cancão
Num toco acuando cobra,
No piado dando dobra
Sem compor uma canção.
Mas com o poeta, não,
Muita diferença há!
Ouvindo Cancão quem já,
Não viu um filme encantado?
Eu vi um ninho roubado
No sonho dum sabiá.

            Saiu esse mote afetivo e muitos evocaram suas amadas companheiras: Ninguém consegue aquecer / Do jeito que ela me aquece. Eu mirei minha filha, que, por ter um ano e meio, não quis parar para ouvir o pai um só minuto:

Mariá, minha filhinha,
Que ainda não parou quieta,
É quem me faz ser poeta...
É toda inspiração minha.
Ela é pequenininha,
Mas bem gigante parece
Porque só ela conhece
O que faz me esmorecer
Ninguém consegue aquecer
Do jeito que ela me aquece.

Meca Moreno é poeta grande e tava lá engrandecendo a plateia. O gracejo é uma das correntes poéticas e Meca, sabendo que arrancaria boas risadas do público, lançou o mote: Vou tomar meu azulzinho / Pra poder cantar de galo. Estava falando do Viagra, claro, então eu joguei a responsabilidade toda pra ele, usando do artifício da inversão do sentido, dizendo:

Meca Moreno, rapaz,
Eu estou admirado
Por você está cansado
E se dizer incapaz!
Me dizer como se faz!
Aí mexeu no meu calo...
Mas se um dia eu imitá-lo
Tomo é cana do moinho,
Não tomo seu azulzinho
Pra poder cantar de galo.

            Outro mote emotivo veio como Minha alma é uma represa / Meus olhos são a sangria. Eu sangrei assim:

O meu peito rosetado
Da espora da saudade
Só bate por caridade
Se não já tinha parado.
Tive um amor no passado
Que foi pleno de magia
Mas se transformou um dia
Em minha eterna tristeza
Minha alma é uma represa
Meus olhos são a sangria.


O último mote ofertado foi proposto por Welington de Melo, quem, eu não sabia, é um noveleiro danado. Vê só o mote: Pergunte para Carminha / Quem botou ponta em Tufão. Eu tive que perguntar a Caio Menezes, que tava do meu lado, o que era isso. Diante da informação de que se tratava da novela global, eu glosei às avessas:

Eu sou cavalo de sela,
Não nasci para cangalha,
E acho uma grande falha
Assistir telenovela.
Para mim a arte bela
É ouvir um bom baião.
História de traição
Nunca foi da conta minha,
Pergunte para Carminha
Quem botou ponta em Tufão.

Ao final, como de costume, foi pedido que fizéssemos a glosa final com o estilo “Adeus, até outro dia”, próprio para as despedidas. Eu enalteci São José do Egito, dizendo:

Eu vou dizer amanhã,
Fazendo uma analogia,
Que no campo da poesia
Joguei no Maracanã.
E minha rima tão vã
Se não foi como eu queria
Foi de jeito que podia
Fazer um sempre aprendiz
Vou embora, vou feliz,
Adeus, até outro dia.


            Peço perdão à mesa, ao público e a Antonio de Catarina por não ter glosado bem o bonito mote sugerido por este poeta: Ninguém é dono de nada / Nem sequer da própria vida. A glosa foi tão ruim que eu fiz questão de esquecer. O mesmo aconteceu no mote Isso é cagado e cuspido / Paisagem de interior, que embora pareça fácil, na hora foi difícil que só a mulesta.
           É isso aí! Viva Cancão! Viva a poesia!


0 comentários:

Postar um comentário

 
 
 
 
Template modificado por WMF-Mídia Design | (87) 9918-2640 / 9620-2552