O Fip ano II traz atrações de fora para interagir com autores pernambucanos

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Descrição da imagem 


     Pelo segundo ano, o Recife abre espaço para contemplar a tradição poética da cidade conectando-a com o que é produzido em outros lugares. Pensando nisso, o Festival Internacional de Poesia do Recife - Ano II, acontece entre os dias 23 e 26 de maio de 2013, na capital pernambucana. Tendo como polo principal a Torre Malakoff e, ainda, ações descentralizadas nos mercados da Madalena e da Boa Vista, no IMIP e no Parque Dona Lindu, o evento visa estabelecer pontes entre diversas poéticas do mundo tendo como base o trabalho dos poetas pernambucanos através de debates, diálogos, performances, entre outras ações.

     Na busca por esse diálogo, o FIP, que é uma realização do Governo do Estado, através da Secretaria de Cultura e Fundarpe, em parceria com a Prefeitura do Recife e Ministério de Relações Exteriores da Argentina, contará com artistas desse país, além do México, Angola e França. “Buscamos com nossas ações e nossos convidados, estabelecer conexões com uma rede de poetas que possa interagir com o que é produzido em Pernambuco”, afirma Wellington de Melo, coordenador de Literatura da Secult-PE e Fundarpe.

     A Torre Malakoff é o principal polo do FIP 2013 e receberá uma programação intensa durante quatro dias. Abreu Praxe, da Angola, Mario Bojórquez, do México, Cecilia Eraso, da Argentina e Angélica Freitas, do Rio Grande do Sul, são alguns dos nomes que irão compor a programação com nomes pernambucanos como Micheliny Verunschk, Jussara Salazar e Fernando Monteiro. Além das rodas de poesia, diálogos e performances, o espaço vai abrigar uma intervenção intitulada “Poesia na nuvem”, que consiste na pintura de uma biblioteca virtual, feita por artistas como Raoni Assis, com curadoria d’A casa do cachorro preto, em que o público poderá baixar da internet obras de poetas pernambucanos através de QR Codes. A ação irá acontecer no hall de entrada da Torre e deve permanecer mesmo depois do festival. A ação acontece em paralelo nas cidades de Clermont-Ferrand e Recife, como parte do acordo de cooperação entre a Secult-PE/ Fundarpe e a Universidade Blaise Pascal.

Ações descentralizadas
     O FIP contará ainda com ações descentralizadas com o objetivo de levar a poesia ainda mais perto do público. Repetindo o sucesso do primeiro ano, o Arrumadinho de Poesia é um momento de dar destaque à tradição já existente vivenciada nos mercados públicos, considerados verdadeiros redutos da poesia. A ação acontece em parceria com a União pelo Cordel de Pernambuco, no Mercado da Madalena, no dia 25/5, das 12h às 14h, e no Mercado da Boa Vista, no dia 26/5, também das 12h às 14h.

     O A gente da Palavra, iniciativa que consiste em poetas uniformizados como agentes de saúde levando poesia até as pessoas, aconteceu na edição passada e foi muito bem recebida pelos moradores do Alto José do Pinho. O projeto, que tem passado por todo o estado de Pernambuco com o circuito do Festival Pernambuco Nação Cultural, nesta edição do FIP, irá acontecer no IMIP – Instituto Materno Infantil de Pernambuco -, no dia 24/5, das 9h às 11h e das 15h às 17h.

     Nos dias 25/5 e 26/5, a partir das 16h, o FIP abre espaço para a criançada. Poesia para pequenos tem declamação e música com o Grupo Cordelândia, no Parque Dona Lindu.

Performances
    Como na primeira edição, o FIP também abre espaço para o diálogo entre poesia e outras linguagens artísticas. Este ano, em uma parceria com A casa do cachorro preto, a sala Diálogos da Torre Malakoff recebe uma intervenção de vários jovens artistas em uma “anti-homenagem” ao poeta e performer Jomard Muniz de Britto. “Jomard é avesso a homenagens, então fizemos uma ‘anti-homenagem levemente carnavalizada e totalmente não autorizada’, para não ter nenhum problema”, brinca o coordenador de Literatura Wellington de Melo.

     A música também estará presente no FIP. Duetos de poetas e músicos se apresentarão na Torre Malakoff sempre à noite, como no encontro entre o poeta Chico Pedrosa e o rapper e poeta Clécio Rimas. O show de abertura (23/05, a partir das 21h30) fica a cargo do multiartista Adiel Luna, trazendo o como convidado o repentista baiano Antonio Queiroz. No encerramento (26/05, a partir das 19h), um show especial com Estrela Leminski e Téo Ruiz. Antes do show, um experimento performático baseado na obra de Paulo Leminski com o trio Madame Cellini, formado pelas atrizes Ceronha Pontes, Lilli Rocha e Nínive Caldas.

Copiado de http://www.fundarpe.pe.gov.br/o-fip-ano-ii-traz-atracoes-de-fora-para-interagir-com-autores-pernambucanos 
Veja mais em www.festivalinternacionaldepoesia.com

0 comentários:

Postar um comentário

 
 
 
 
Template modificado por WMF-Mídia Design | (87) 9918-2640 / 9620-2552