Catulo da Paixão cearense

sexta-feira, 14 de junho de 2013

 
Flor de maracujá

Apois Antonce
Eu lhes conto
A história que ouvi contá
A razão purque nasce roxa
A frô do maracujá


Maracujá já foi branco
Eu posso inté lhe jurá
Eu posso inté lhe jurá
Mais branco que a caridade
Mais branco do que o luá



Quando as frô brotava nele
Lá pros confim do sertão
Maracujá parecia,
Um ninho de argodão

 

Mais, um dia...
Há muito tempo,
Num mês que inté não me lembro
Se foi maio...se foi junho
Se foi janeiro ou dezembro
Nosso Senhor Jesus Cristo
Foi condenado a morrê
Numa cruz, crucificado
Longe daqui, como quê


E havia junto da cruz
Aos pés de nosso Senhor
Um pé de maracujá
Carregadinho de frô

 
Pregaram Cristo a martelo
E ao ver tamanha crueza
A natureza inteirinha
Pôs-se a chorá de tristeza


Chorava o vento nos campo
Chorava as fôia e as ribeira
Sabiá tomem soluçava
Nos gáio da laranjeira
E o sangue de Jesus Cristo
Sangue pizado de dô
No pé do maracujá
Tingia todas as frô 

 
Imagem copiada de: http://picinezblog.blogspot.com.br/2012/02/luar-do-sertao-da-flor-de-maracuja.html

0 comentários:

Postar um comentário

 
 
 
 
Template modificado por WMF-Mídia Design | (87) 9918-2640 / 9620-2552