Cordel se reencontra com a zona rural

sábado, 31 de agosto de 2013


O poeta Alexandre Morais ministrando oficina para professores da zona rural de Afogados da Igazeira - PE
        Ontem vivi mais uma boa experiência proporcionada pela minha atividade literária. ministrei uma oficina pedagógica para cerca de 45 professores atuantes em escolas da zona rural de Afogados da Ingazeira - PE. Foi uma das primeiras etapas do Projeto Meu Campo Lê, uma iniciativa da Secretaria Municipal de Educação em parceria com o Programa Arca das Letras, do Ministério do Desenvolvimento Agrário.
      A ideia é formar multiplicadores do saber poético e da arte tão nossa de produzir a literatura de cordel. E multiplicar onde? No campo, exatamente onde o cordel tomou forma e ganhou o mundo.
 
Professores serão multiplicadores do conhecer e do fazer poético

        Durante a oficina os professores tambem ganharam kits pedagógicos com produções impressas, em áudio e em vídeo, o qual batizaram com muita propriedade de Sacola de Cordel. E lá estou de novo, com a minha Peleja do Boto Cor de Rosa com a Sereira Iara, ao lado de nomes como J. Borges, Arievaldo Viana, Genildo Santana e Abdias Campos. É ou não é de dar gosto, uma coisa dessas!?
      Pra completar, nas atividades práticas da oficina, pedi que os professores produzissem versos e os incentivei que os apresentassem aos alunos, assim como fizessem outros de acordo com os temas trabalhados em sala de aula. Isso mesmo, a ideia é aproximar os alunos dos poetas e autores e os fazê-los sentir-se poetas.
Projeto Meu Campo Lê
        Eis as produções:


O dia de estudo

Este dia de estudo
Precisamos destacar
O professor Alexandre
Veio nos auxiliar
Para tirar do papel
Poesia de cordel
Da cultura popular

Nós vamos fazer na prática
Todo o ensinamento
Levando para as escolas
O nosso conhecimento
Verso e imaginação
Cantando o nosso sertão
Com muito entretenimento

Com o cordel trabalhar
Em toda série é possível
Pré, primeira e tantas outras
Cada qual com o seu nível
Mestre da educação
O professor cidadão
É insubstituível

Vamos findar a setilha
Com estes versos de agora
Mas vamos levar conosco
O saber que em nós vigora
Voltaremos outra vez
E queremos ver vocês
Fazendo versos “da hora”

< Renaldi Lacerda, Eudimere Marques, Cícera Pereira, Maria das Graças Marques, Sandra Cristina Marques, Tereza Carla Bezerra, Wilma Geysa Diniz, Vera Lúcia Ribeiro e Emiliana Nunes >

A Seca

Esta seca no Nordeste
Mata toda a plantação
Em todos a falta d’água
Provoca judiação
Até quando meu bom Deus
Se verá esta afliação

Alexandre

Alexandre é um poeta
Muito privilegiado
Com seus cordéis encantando
É por nós admirado
Divulgando seu trabalho
Não importa onde é chamado

< ... >


A desigualdade social

Brasil de povo distinto
Em raça e religião
Que sofre por muito tempo
Devido à corrupção
Cada um só pensa em si
Nunca pensa na nação

Povo bravo e guerreiro
Que luta com esperança
A cada dia acalenta
Sua alma de criança
Por tanta desigualdade
Perde a perseverança

< Elba Fabiana >

Cordel Campo de formação

É grande a satisfação
De viver este momento
De uma bela formação
Em prol do conhecimento

Com a leitura do cordel
Lá no campo e na cidade
Envolvendo toda gente
Numa mesma unidade

Vamos juntos minha gente
Declamando poesia
Formando uma só corrente
Disseminando alegria

< Joseane, Daniela, Maria José, Lindinalva e Poliana >

Em pleno fim de agosto
Em prol da educação
Vem Alexandre ensinar
Com toda dedicação
Como se faz um cordel
Induzindo inspiração

Alexandre também mostra
Ler é ato valioso
Amplia o conhecimento
Deixa o sujeito honroso
E com prosa e poesia
O dia foi valoroso

A partir deste momento
Alguém que não entendia
Versos, estofes e rimas
A forma da poesia
Sabe da literatura
O que antes não sabia

Alexandre fez pensar
No singular e plural
Ensinou sobre cordel
E seu valor cultural
Apostou na interação
De modo sensacional

Digo agora com certeza
O cordel vou ensinar
Cordelistas vão surgir
Pelo que vou trabalhar
E os frutos vão surgir
Nisso podem apostar

< Delma Júlia, Ana Maria Cordeiro, Adriana Suzi, Maria José, Gizelda, Silvaneide Magalhães e Maria das Dores >

Neste encontro proveitoso
O qual tem grande valia
Refletindo o valor
Que nos traz a poesia
Levando aos educadores
O clima da harmonia

Meu campo lê poesia
Refletindo educação
Unificando valores
Educando o cidadão
Somos os educadores
Da Escola São João

Na Escola São João
Tem projeto de leitura
Mostrando que poesia
É arte e é cultura
E de forma popular
É que vamos trabalhar
Com uma visão futura

< Cícero Rubens, Rosenalva, Núbia, Silvana, Ivanilda, Jussara, Elenilda Amaral e Erivoneide Amaral >

A corrupção no Brasil

Para um Brasil decente
Queremos política honesta
Pra preservar os recursos
Que no país inda resta

Promessa sendo dinheiro
O Brasil seria rico
Não tinha tanta miséria
E nem tão pouco fuxico

Se educação fosse meta
Prioritária pra gente
Não existiam fracassos
E nem político indecente

Falando em corrupção
É bem fácil discorrer
O difícil é chegar lá
E nunca se corromper

Com o povo indo às ruas
Algo pode resolver
Só não pode ter estragos
Como estão a ocorrer

< Aldeci >

0 comentários:

Postar um comentário

 
 
 
 
Template modificado por WMF-Mídia Design | (87) 9918-2640 / 9620-2552