sábado, 26 de junho de 2021

Parabéns pra você ou Parabéns a você? E o que mais?

junho 26, 2021 Por Alexandre Morais Sem comentários

NÃO É "BIG BIG BIG" O CORRETO A SE CANTAR NO "PARABÉNS"


Autora: Vanessa Trincheira
Copiado de: www.obviusmag.org

    "É BIG, É BIG, É BIG - BIG - BIG!"

   Assim é cantado em coro o bordão da música "Parabéns pra você" em todo território brasileiro. Ocorre que esse é apenas um dos erros que cometemos em relação a versão original da canção. Neste artigo se apresenta um pouco da história dessa composição, que é a mais famosa do mundo e como seria a forma original e mais adequada para cantá-la.

   A música "Happy Birthday to you" (parabéns a você) foi registrada pela primeira vez em 1924 nos Estados Unidos, num livro de Robert Coleman denominado "Celebrations songs" (canções de comemorações). Trata-se de uma adaptação de "Good morning to all" (bom dia a todos) que era uma melodia utilizada na recepção de escolas que duas professoras irmãs haviam patenteado em 1983.

   Apesar da simplicidade da letra esta composição já gerou muita disputa de poder e negociação de direitos autorais, movimentando milhões de dólares e alguns processos. Na primeira forma em que foi escrita, em inglês, e que muitos países conservam até hoje, "Parabéns a você" é proferido duas vezes e na terceira acompanhado por "querido" (dear) e o nome do aniversariante, repetindo-se por fim "Parabéns a você". No Brasil o radialista e compositor Almirante, da rádio Tupi do Rio de Janeiro, realizou um concurso para melhor adequação da música, vencendo Bertha Celeste Homem de Mello, com a forma que se canta até hoje, em que há uma única repetição de frases.

   "Parabéns a você, nesta data querida, muita felicidade, muitos anos de vida"

   "Parabéns a você, nesta data querida, muita felicidade, muitos anos de vida"

    É comum que se cante "parabéns pra você" e esta frase se tornou a tradução em português do próprio título da música, e portanto é culturalmente aceitável esta maneira de cantar e assim, não seria necessário mudar e se readequar. Entretanto, certamente você já desejou "muitas felicidades" a inúmeras pessoas, sem saber que na versão de Bertha a felicidade é singular, portanto deveríamos mencionar "muita felicidade", até porque o adverbio já é de intensidade e a sensação de felicidade deve ser plena e não com a palavra no plural se referindo a momentos.

  Presume-se que as últimas frases, possivelmente construídas por alunos da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, em São Paulo, na década de 30 sejam:

     "É pique, é pique. É pique, é pique, é pique!

      É hora, é hora. É hora, é hora, é hora!

      Rá-tim-bum!"

    Sobre estas últimas estrofes, não cometa mais a gafe de cantar big-big-big. Big é uma palavra inglesa que significa "grande" e que se fosse traduzida ficaria complicada para ser repetida com rapidez. Ainda que não soubéssemos se o adjetivo se referia à festa ou à pessoa, provavelmente gritávamos "É big!" Diz a lenda que "pic-pic" era o apelido de um estudante daquela faculdade, que andava com tesoura para aparar barba e bigode. A palavra "pique" realmente deveria ser utilizada no nosso país, porque além de já estar em português, ela se define por força e ânimo, que tem a ver com festa e alegria, mas também com uma perspectiva ideal para nossa própria vida, em que deveríamos ter pique e disposição para suportar as adversidades.

     O trecho "é hora" se referia a uma frase repetida nos bares próximos da faculdade a cada meia hora, que era o tempo da cerveja gelar para ser novamente servida, mas também pode se referir ao tempo exato em que se comemora algo e no caso de aniversário, que é a celebração de cada ano de vida de uma pessoa, a hora do "Parabéns" é a hora H em que a pessoa reserva para reunir seus amigos e familiares mais queridos.

   Já o termo "ratimbum" teria sido adotado por causa de um rajá indiano que teria visitado a faculdade denominado "Timbum". Alguns textos populares repercutiram que a frase seria amaldiçoada sem contudo apresentar nenhuma fundamentação ou fonte de pesquisa. Outra explicação ainda é que seria uma onomatopeia para abreviar o famoso som de bandinhas de percussão (especialmente de fanfarra e circo) definindo-se pela caixa (Rá), pelos pratos (Tim) e pelo bombo (Bum). Por fim Rá-Tim-Bum também foi um programa infantil de grande sucesso produzido pela TV Cultura na década de 90. Assim, recomendo seu uso.

    É contumaz evocar o nome do aniversariante três vezes no final do Parabéns. Essa parte enfatiza a pessoa que está sendo contemplada e por isso muitas pessoas consideram um tipo de idolatria, assim como os próprios aniversários. Outros consideram incentivo ao egoísmo, individualismo e narcisismo ao invés de uma expressão de amor (próprio no caso do aniversariante e de todos para com ele). Ainda há o ponto de vista de que o próprio aniversário como um todo não serve só ao homenageado, como também é um privilégio de todos os participantes já que supostamente só se convida pessoas especiais.

0 comentários:

Postar um comentário